Fuja dos conflitos em grupos de WhatsApp

Não é novidade que novos métodos de comunicação surgiram para ajudar no diálogo entre todos que moram em um mesmo conjunto habitacional, exemplo disso são os grupos de WhatsApp. Apesar de ser um método rápido e eficaz, existem cuidados que devem ser tomados antes mesmo do grupo ser criado.

Para a advogada Lessiene Maria Caponi, especialista em direito imobiliário, existem regras que devem ser respeitadas não apenas na criação, mas principalmente na forma de utilizar a ferramenta. Ela lembra ainda que é importante convocar uma assembleia extraordinária para apresentar a proposta de criação do grupo e submeter o assunto a votação.

“Situações que sejam de interesse da comunidade condominial, quando não previstas no Código Civil, Convenção ou Regimento Interno, devem ser deliberadas em Assembleias”, explicou Caponi, ressaltando que a falta de cuidado no uso do grupo de WhastApp pode gerar processos judiciais como ações de reparação por danos morais, calunia e difamação.

A especialista destacou ainda que a criação do grupo de Whatsapp revela dados pessoais que podem futuramente serem usados de forma indevida e lembrou um caso recente. “Uma condômina decidiu expor uma vizinha a uma situação vexatória informando que a mesma costumava sair todas as quintas, sextas e sábados sempre retornando durante a madrugada fazendo barulho. Situação que foi parar na delegacia”.

Segundo Caponi, na maioria dos casos, os grupos não mantem a formação inicial por mais que três meses, isso porque os condôminos começam a sair do grupo, seja pelo excesso de mensagem que não tem conteúdo útil ao grupo ou pelo excesso de conflitos que surgem. Em meio a experiência na área, a profissional não indica a utilização desse tipo de ferramenta nos condomínios. “Na minha opinião, os grupos de Whatsapp devem se restringir a comunidade de pessoas com vínculo afetivo, a exemplo de amigos e familiares não sendo indicado para condomínios, empresas ou quaisquer outras instituições que possam submeter os integrantes ao risco de conflitos e violação da intimidade”, finalizou.

SOLUÇÃO

Mas, em um mundo onde o convívio entre os vizinhos é cada vez mais cheio de possibilidades, a comunicação interna precisa ser direta, assertiva e certeira. Por isso, o aplicativo MyCond chegou ao mercado como ferramenta de auxílio na gestão condominial. Através dele, síndicos e condôminos podem se comunicar, sem ruídos e com privacidade. E a resposta é imediata. As muitas ferramentas do app podem resolver desde questões complicadas às mais práticas, que vão de prestações de contas até liberação da entrada de visitas.

“Com o aplicativo é possível consultar em tempo real as reservas, ocorrências, demandas e diversos outros serviços do condomínio”, exemplificou a desenvolvedora Ana Rita Oliveira, que enxergou na tecnologia a solução para quem precisa otimizar tarefas.

 

Lise Lobo