MyCond fecha parceria com CondoConta, o banco dos condomínios

Uma das grandes dores de quem administra um condomínio está na parte financeira. Abrir conta em banco, emitir boletos, pagar taxas bancárias, prestar contas, e tantas outras transações, fazem parte do dia a dia de síndicos e administradoras que veem essas funções como uma experiência nada agradável.  

Alinhando mais uma vez tecnologia e o que há de mais inovador no mercado, a MyCond decidiu se unir ao CondoConta, uma fintech de Florianópolis que se propõe a ser a conta digital PJ dos condomínios, com rápidas transições e taxa zero. 

Um casamento perfeito entre duas startups que possuem o mesmo propósito de resolver os maiores problemas condominiais a partir de soluções tecnológicas, fazendo sempre mais com menos, entregando inovação, economia, valor e mais tempo. 

LEIA TAMBÉM: MyCond está entre as 4 startups que serão aceleradas pela Vedacit Labs

“Estamos lançando o produto “MyCond CondoConta” que tem todo o nosso módulo financeiro e de prestação de contas integrado com o banco digital Condoconta com taxa zero para abertura de contas e boleto sem custo”, comemorou a CEO MyCond, Ana Rita Oliveira. 

Conhecendo a CondoConta

CondoConta nasceu em 2019 com uma proposta de ser o banco dos condomínios brasileiros. Fundada por Rodrigo Della Rocca, Marcelo Cruz e Atílio Borges, a empresa se propõe a ajudar síndicos e administradoras com a gestão financeira de condomínios residenciais.  

Atualmente possui mais de mil condomínios como clientes, para quem oferece serviços como TED, PIX abertura de contas e emissão de boletos com tarifa zero. Além disso, remunera os fundos de reserva com 100% do CDI e oferece o serviço de Receita Garantida, no qual independente do pagamento dos condôminos, eles garantem crédito em conta todo mês, facilitando assim a vida dos condomínios com altas taxas de inadimplência.  

Apesar dos condomínios brasileiros terem direito a um CNPJ e uma conta bancária, eles não são empresas propriamente ditas, o que os torna pouco atrativos para os bancos tradicionais, onde pagam muitas taxas e enfrentam muita burocracia.  

LEIA TAMBÉM: Administradora de Condomínios: como aplicativo pode aumentar retenção de clientes

“A gente percebeu que os bancos tradicionais, que é onde começa, quem emite as taxas de condomínio e onde os síndicos e as administradoras fazem os pagamentos, nunca entenderam o condomínio. Nunca prepararam o sistema financeiro como um todo, para atender um ente chamado condomínio, um ente que tem CNPJ, mas não é empresa, tem prestação de contas e não tem contabilidade”, explicou Rodrigo Della Rocca, CEO da CondoConta em Webinar realizado pela MyCond. 

Clique AQUI e assista o Webinar completo  

Parceria MyCond e CondoConta 

Segundo Ana Rita Oliveira, a parceria com a CondoConta foi a ponta que faltava para a MyCond oferecer um produto barato e de qualidade que pudesse fazer integração com os sistemas.  

“Os bancos ainda são muitos fechados para integração do trabalho com remessas de arquivo, a parte de registro dos boletos demora as vezes 24 horas pra registrar. E hoje o mundo digital é… peguei o boleto já está no whatsapp, já paguei, já deu baixa. Não tem mais aquela coisa de 24 a 48 horas para compensar”, pontuou a CEO MyCond. 

Para todos os condomínios 

De pequeno a grande porte, qualquer condomínio pode ter acesso aos benefícios financeiros oferecidos pela parceria MyCond e CondoConta.  

“Se eu sou pequeno eu tenho pouco capital e preciso fazer mais com menos, se sou grande acabo tendo muitos custos desnecessários, e é a tecnologia que vai trazer a solução para todos os tipos de condomínios”, afirmou Della Rocca. 

LEIA TAMBÉM: Conheça as tecnologias mais demandadas pelos condomínios na pandemia

Ele destacou ainda que assim como uma empresa pequena ou grande passa pela transformação digital os condomínios também precisam passar. 

“Eu consigo fazer mais com menos quando tenho um software parceiro, que automatiza toda minha carteira e condomínios desde a reserva do salão de festa até a assembleia, e do meu banco, desde a minha emissão de taxa de graça até meus pagamentos de graça”, concluiu.