Conheça os tipos de quórum de assembleias em condomínios

Quem mora em condomínio sabe que as assembleias são comuns para decidir algo inerente ao local. E também é sabido que para a realização de uma assembleia é preciso de um número mínimo de pessoas para começar. E é exatamente essa quantidade que chamamos de quórum.

De acordo com o Código Civil:

Os votos serão proporcionais às frações ideais no solo e nas outras partes comuns pertencentes a cada condômino, salvo disposição diversa da convenção de constituição do condomínio“.

Ou seja, o proprietário de uma unidade possui um voto, o de duas unidades, dois votos, e assim por diante.

LEIA TAMBÉM: Procuração em assembleias: saiba como usar 

Mas nem sempre a quantidade de pessoas que precisa estar presente para se iniciar uma assembleia tem que ser a mesma.  O que é importante se atentar é que o quórum pode variar a depender do porte do condomínio e da natureza da deliberação. Mas como saber mais sobre esse quórum mais comuns dentro dos condomínios e como é feita a contagem.

Maioria absoluta

O quórum de maioria absoluta é utilizado, por exemplo, para a liberação de obras urgentes. Ele parte do número absoluto de unidades, considerando um voto por unidade, representa 50% mais 1 dos votos gerais.

Maioria simples

Esse é o quórum utilizado para eleger ou destituir o síndico, mas também é utilizado na aprovação das contas de um mandato ou planejamento financeiro de uma nova gestão. Como o nome já diz, esse quórum precisa da maioria dos condôminos que estão presentes na assembleia deliberativa. Considera-se 50% mais 1 voto da frequência do dia que assinou a ata.

LEIA TAMBÉM: Dicas para tornar as assembleias mais atrativas 

Dois terços do todo (2/3)

Nesse também o próprio nome já diz tudo. É preciso de 2/3 dos condôminos para dá início a uma assembleia que geralmente trata de decisão em questões de maior impacto. Como por exemplo, a aprovação de grandes obras ou alteração da convenção.

Maioria qualificada

A dificuldade de definir esse tipo de quórum é porque ele varia de convenção para convenção. Ou seja, cada condomínio tem a autonomia para definir quantos votos são necessários para aprovação de determinado tema.

Unanimidade

Esse é o mais difícil, pois 100% dos condôminos precisam estar presentes, e por isso mesmo usado para deliberações mais sérias. Um exemplo é a mudança do próprio sistema de decisões e os quóruns necessários para cada aprovação.

LEIA TAMBÉM: Voto eletrônico em assembleias: uma possível realidade nos condomínios 

LEIA TAMBÉM: Sou síndico e agora?