Utilização de piscinas em período de pandemia

É verão no Brasil e nada pode ser melhor do que uma piscina neste calorzão. Mas e a pandemia? E o isolamento? Em alguns condomínios as piscinas foram liberadas parcialmente, algumas delas com a necessidade de agendamento, para evitar aglomerações.

Mas ainda sim existem muitas dúvidas sobre a possibilidade de se contaminar com o vírus dentro da piscina. E então, existem riscos da transmissão pela água?

Na opinião de especialistas, a resposta é não. O novo coronavírus não consegue sobreviver dentro da água. Além disso, ainda existe o cloro utilizado nas piscinas, que age no combate de qualquer agente bacteriano.

LEIA TAMBÉM: Cuidados importantes em piscinas de condomínios

Evitando aglomerações

O que os síndicos precisam se atentar é para a possibilidade de aglomeração nos espaços da piscina. Sendo assim, algumas ações podem ser tomadas.

Entre elas estão: reservas por família (que podem ser feitas por aplicativos de gestão condominial), limitação de uma pessoa por raia e higienização constante das áreas comuns.

Além disso, os protocolos mais comuns também precisam ser mantidos, como o uso de máscaras quando estiver fora da piscina e a utilização de álcool gel para higienizar cadeiras e mesas. E claro! Para passar nas mãos, quando for tocar em objetos compartilhados, assim como na hora de sair da piscina, como corrimão das escadas, registro de chuveiros, bordas, lembre-se de se higienizar.

É recomendável ainda evitar objetos compartilhados como boias e bolas e evitar conversas sem máscara dentro da piscina.

Mas o síndico pode proibir?

Segundo especialistas, as decisões de reabertura e regras de uso dependem da estrutura física do prédio, quantidade de funcionários e de moradores. Apesar do dever do síndico de respeitar o direito de propriedade, ele precisa se atentar aos cuidados com a doença e preserva a saúde e segurança dos condôminos.

A sugestão é que a decisão seja discutida entre os moradores e as regras de uso espalhadas em comunicados e sinalizações.

Vamos as dicas.

Liberação da piscina

  • O correto é que seja feita com base nas normas sanitárias locais e recomendações das autoridades de saúde
  • As medidas adotadas também precisam considerar as normas da convenção e do regimento interno do condomínio
  • Discuta as decisões que devem ser adotadas em reuniões e divulgue para todos por meio de comunicados e sinalizações
  • Monte protocolos de segurança
  • O corpo diretivo tem o poder de decidir uma reabertura, caso não haja justificativas para manter o local fechado
  • As medidas tomadas devem considerar as características específicas de cada condomínio, levando em consideração itens como o tamanho da piscina, a quantidade de funcionários e moradores e os hábitos.

LEIA TAMBÉM: Como as funcionalidades do MyCond podem reduzir riscos de contaminação

De olho na manutenção

Quanto a manutenção da piscina, é importante que diariamente seja feita a filtragem da água da piscina e remoção das folhas que podem ter caído. O produto apropriado, como cloro, deve ser adicionado todo dia que a piscina for utilizada.

E ainda é recomendado que o cloro seja jogado à noite, caso ocorra durante o dia, é melhor que seja de manhã, lembrando que segundo especialista, a luz solar degrada o produto, afetando sua eficácia. Em geral, quando há chuvas e temperaturas elevadas é necessário adicionar mais produto para evitar algas, já em dias frios a quantidade de cloro é menor

Para a limpeza, o prédio pode contratar empresa especializada ou um funcionário específico. Em alguns espaços o zelador também pode exercer a função desde que receba o treinamento necessário. Neste caso, o condomínio precisa prestar atenção às normas trabalhistas e pagar pelo acúmulo de função.

Visitante pode?

Existem prédios que estão readequando a política de convidados, o que pode ser feito. Em casos de piscinas pequenas que atendem muitos moradores, elas podem ser insuficientes para que visitantes a utilizem, ou seja, cada caso é cada caos e a estrutura do condomínio deve ser considerada.

LEIA TAMBÉM: Condomínios devem ter regras próprias na liberação de áreas comuns

Para o síndico, agora no verão, o desafio é ainda mais difícil já que a demanda cresce de forma significativa. Mas não se pode descuidar e é preciso estar atento para que todos obedeçam às recomendações. A fiscalização na área da piscina precisa ser reforçada.