Saiba como trocar a Administradora do Condomínio

A administradora é uma prestadora de serviços contratada pelo síndico no exercício de suas atribuições e que costuma cuidar da gestão financeira, recursos humanos, área jurídica e administrativa do condomínio.

A presença da administradora é validada pelo Código Civil que estabelece os poderes do síndico, no artigo 1.348, IX, §1o, que diz:

“O síndico pode transferir a outrem, total ou parcialmente, os poderes de representação ou as funções administrativas, mediante aprovação da assembleia, salvo disposição em contrário da convenção”.

Porém, depois de algum tempo, o síndico pode sentir a necessidade de trocar a administradora e contratar uma nova empresa, por motivos variados. E então que surgem as dúvidas. O síndico pode escolher uma nova empresa sem realizar assembleia? A troca pode ser feita por qualquer motivo? A mudança pode prejudicar o condomínio?

LEIA TAMBÉM: Administradora de Condomínios: como aplicativo pode aumentar retenção de clientes

Nessa nova postagem você vai poder entender como funciona esse processo.

O síndico pode escolher uma nova empresa sem realizar assembleia?

A resposta é sim! A decisão de contratar ou substituir uma administradora se enquadra como função de um síndico, como vimos no destaque do Código Civil acima, sendo assim, cabe somente a ele tomar esta decisão.

No entanto, a orientação de alguns especialistas é que o síndico realize uma assembleia para tomar essa decisão. Já que a ação unilateral pode ser vista pelos moradores e conselho, como uma forma de benefício ou vantagem pessoal.

Por isso, o ideal é convocar os conselheiros ou uma assembleia no condomínio, para que seja analisada a possibilidade, explanar os motivos da troca e se existe algum tipo de disposição sobre o assunto. Ação do tipo reforça a transparência na gestão do condomínio.

LEIA TAMBÉM: Administradora digital e tecnologias que você deve investir

É preciso sempre observar o que consta nas leis internas do condomínio ou em eventual deliberação em assembleia sobre o assunto.

Quais os passos para realizar a mudança?

O primeiro passo do síndico é ler o contrato da empresa atual, e verificar o tempo solicitado pela administradora (em média de 30 a 60 dias), para encerrar os serviços.

Nesse processo, deve ser solicitado os documentos necessários para a rescisão do contrato para que os mesmos sejam encaminhados para a nova empresa. Importante destacar que nenhum documento deve ficar sob o poder da administradora antiga, conforme relatado no art. 305 do Código Penal. 

Para chegar até uma nova empresa o síndico deve solicitar três ou mais orçamentos, a depender do que estiver previsto na Convenção do Condomínio, para qualquer serviço contratado, seja ele aprovado pela assembleia ou não.

o melhor orçamento pode ser validado pelos conselheiros ou em uma assembleia.

O ideal é que o síndico detenha todas as informações necessárias para iniciar o trabalho com a nova empresa escolhida e, caso não as tenha, é necessário reuni-las antes de dar início à transição.

Quais os motivos mais comuns para as trocas?

Entre as razões mais comuns para a troca de uma administradora estão:

  • CUSTOS ELEVADOS – quando os valores em relação às taxas cobradas pelos serviços prestados estão altos, e o condomínio precisa passar por uma redução de custos;
  • SERVIÇOS RUINS – a ineficiência ou demora no atendimento podem ser justificativas para mudança da administradora;
  • DESATUALIZAÇÃO – quando a administradora utiliza serviços e ferramentas ultrapassadas, assim como processos burocráticos ou inexistência de tecnologia;
  • SEM TRANSPARÊNCIA – a falta de transparência na gestão condominial também pode ser uma razão para pensar na troca da empresa.

LEIA TAMBÉM: ADMINISTRADORA DIGITAL: Reduza em até 72% os custos operacionais do condomínio

O que observar na hora da troca?

Antes de efetuar a troca da administradora do condomínio é preciso ficar atentos a alguns pontos importantes.

LEIA O CONTRATO – Muito importante avaliar o que está prescrito em seu contrato (multa de rescisão, tempo de contrato, tempo para solicitação de rescisão). O comum é que seja feito com 30 dias de antecedência;

FAÇA UMA CONSULTA JURÍDICA – busque especialista que possa analisar o contrato e certificar de que não há cláusulas abusivas que possam comprometer o processo de troca e trazer mais dores de cabeça;

NOTIFIQUE A ATUAL EMPRESA – Nos casos de insatisfações, faça notificações para a atual empresa. Estes registros vão poder justificar a decisão de troca.

A mudança de administradora pode prejudicar o condomínio?

A alteração da administradora é uma situação que pode refletir em prejuízos aos condôminos, caso existe incidência da multa na rescisão contratual. Além disso, caso a decisão ocorre de forma unilateral, sem a participação dos moradores, pode gerar conflitos e desconfianças afetando assim a transparência para com a coletividade.

O aconselhável ao síndico, então, é manter os condôminos informados e atuantes dentro do processo por meio de uma assembleia, até para evitar os riscos ao seu patrimônio pessoal.

LEIA TAMBÉM: A LGPD e as administradoras digitais de condomínios

Mas, se o síndico não adotar tal cautela, e em caso da nova administradora cobrar valores maiores dos aprovados no orçamento e/ou venha a ter procedimentos diversos que culminem com o aumento de gastos para o condomínio, o síndico que tomou a decisão sozinho poderá responder pelos prejuízos, que serão os gastos extras em decorrência da substituição da empresa.