Xô infiltração! Conheça os tipos de impermeabilização para condomínios

Gotejamentos, paredes com mofo, mau cheiro, fachadas comprometidas. Esses são alguns dos problemas comuns provocados pela infiltração de água dentro dos condomínios.

Para quem está à frente da administração do condomínio sabe bem o quanto esse assunto pode demandar dele. Já que, além de ter que lidar com as reclamações (legítimas), é preciso também entender do assunto e buscar soluções.

No caso das infiltrações uma das soluções mais indicadas é a impermeabilização no condomínio de todos os elementos expostos à água.

Vale lembrar que quando o assunto é manutenção, não deve ser tratado como uma etapa opcional.

Tipos de impermeabilização

A impermeabilização é muitas vezes deixada de lado por se tratar de um serviço em geral custoso e trabalhoso. Mas lembre-se que a falta dela pode custar ainda mais caro.

Para entender melhor, a impermeabilização é tratada através de norma específica da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), a NBR 9575/2003. Ela é o ponto de partida para embasar o desenvolvimento de um bom projeto.

Mas o método utilizado vai depender da necessidade de cada local, ou seja, das características construtivas do ambiente com problema de infiltração, que devem ser identificados por profissionais da área, como arquitetos e engenheiros.

LEIA TAMBÉM: Conheça três manutenções anuais importantes no condomínio

Abaixo os tipos de impermeabilização mais utilizadas;

Impermeabilização rígida

É um procedimento que deixa a área trabalhada impermeável após a inclusão de aditivos químicos e agregados. Segundo especialistas ela é indicada nas estruturas que não são submetidas a grandes movimentações e não podem ser aplicadas em superfícies sujeitas a grandes variações de temperatura.

Ou seja, a impermeabilização rígida é ideal para locais não sujeitos às fissuras, como subsolos, piscinas enterradas e galerias, já que estão sobre a ação de condições de temperaturas constantes.

Impermeabilização flexível

A impermeabilização flexível é geralmente feita com materiais compostos de elastômeros e polímeros, ou seja,  é indicada para as superfícies que estão sujeitas a dilatações e vibrações.

Os materiais podem ser moldados no local, as chamadas membranas ou serem pré-fabricados, que são as mantas. É importante lembrar que, para aumentar a eficiência da impermeabilização, podem ser aplicadas várias camadas sobrepostas de diferentes materiais.

A utilização desse sistema flexível é ideal para locais sujeitos à variação de temperatura, como varandas, coberturas, terraços, piscinas suspensas, pisos frios e lajes.

Impermeabilização semi-flexível

‍Esse método é o mais recente de todos e por isso ainda não foi incluído nas normas técnicas brasileiras, o que significa que é preciso muito cuidado ao utilizá-lo.

Basicamente, ele consiste em um material bicomponente (argamassa polimérica), um pó adicionado a um líquido. Quando misturados, eles formam uma argamassa de fácil aplicação.

LEIA TAMBÉM: Manutenção de área verde na primavera

Apesar de apresentar características intermediárias entre o rígido e o flexível, não são indicados para superfícies sujeitas à dilatação térmica nem em superfícies sujeita a atrito, já que apresenta baixa resistência mecânica.

Os sistemas mais usados

A depender da superfície ou elemento a ser protegido, diferentes tipos de sistemas podem ser utilizados, entre eles estão:

Manta asfáltica

A manta asfáltica é composta por asfalto modificado e polímeros, sendo armada com estruturante. Para os síndicos que sempre ficam na dúvida de quando utilizá-la, o ideal é a aplicação em lajes planas ou inclinadas, piscinas, floreiras, reservatórios de água e áreas frias.

Argamassa polimérica

Para produzir a argamassa polimérica são utilizados cimento, agregados, aditivos e polímeros que formam um revestimento. A utilização dela é indicada para áreas frias e molhadas, poço de elevadores, piscinas, rodapés, reservatórios de água e subsolos.

Calafetador

O calafetador costuma ser muito usado na vedação de caixilhos e elementos em geral. Ideal para o preenchimento de juntas internas e externas, horizontais e verticais.

Emulsão asfáltica

A emulsão asfáltica é um monocomponente aplicado a frio que requer proteção mecânica. Ela pode ser utilizada como uma base para impermeabilizar os elementos da fundação, e em áreas internas, como sacadas e banheiros. Nos condomínios são muito utilizadas nos terraços, áreas frias e lajes.

Emulsão acrílica

No caso da emulsão acrílica, ela tem base acrílica com elastômero, elementos que formam uma membrana líquida. É ideal para superfícies expostas e sujeitas ao contato com as intempéries, como lajes, coberturas, paredes e marquises.

LEIA TAMBÉM: Por que a manutenção predial deve ser realizada?

Hidrorrepelente

O hidrorrepelente repele a água e não altera a aparência do substrato. Ideal para superfícies minerais, como tijolo e concreto aparentes, fachadas de pedra, telha cerâmica e cerâmica porosa.

Hidrofugante

O hidrofugante é um material que também repele a água e pode ser aplicado diretamente em superfícies minerais. Ideal para fachadas de pedra, telha cerâmica, cerâmica porosa e, tijolo e concreto aparentes.