Dicas de como montar uma rotina de limpeza em condomínios

Pensando no bem estar e segurança de moradores e terceiros, a limpeza deve sempre estar em dia nos condomínios. Ainda mais com o novo coronavírus solto por aí. Para isso, o síndico deve estar atento a essa responsabilidade, assim como o faz na gestão de finanças e de pessoas.

Manter uma rotina de limpeza nem sempre é fácil, e vai variar de acordo com o tamanho do condomínio e a forma de contratação dos profissionais especializados no assunto. Por isso um bom planejamento é muito importante para ter um espaço sempre limpo e moradores felizes.

Mas antes de começar a planejar a limpeza, é preciso entender quais são os tipos principais:

Limpeza geral

Como o nome já diz é aquela limpeza completa e que atinge todos os espaços e áreas com maior circulação, a exemplo de elevadores, halls de entrada, garagens, corredores e portarias.

Limpeza de conservação

É realizada por demanda, em horários com mais movimento no condomínio para prevenir aparência desleixada.

LEIA TAMBÉM: Seu condomínio faz inspeção predial?

Limpeza de manutenção

Acompanha um calendário de manutenção preventiva do condomínio, pois são higienizações mais pesadas e trabalhosas de serem feitas, a exemplo de limpeza da caixa d’água, limpeza e pintura da fachada, limpeza e filtragem das piscinas, entre outras.

Além de conhecer os tipos de limpeza é importante ainda entender a frequência que elas devem ser executadas, vamos saber um pouco mais abaixo.

Limpeza diária:
  • Portaria;
  • Hall de entrada;
  • Academia;
  • Sauna;
  • Elevadores;
  • Banheiros e vestiários;
  • Calçadas;
  • Objetos de decoração.
Limpeza semanal:
  • Caixas de hidrantes e extintores;
  • Playgrounds;
  • Quadras esportivas;
  • Churrasqueiras;
  • Móveis das áreas comuns;
  • Piscinas;
  • Aparelhos de ar-condicionado, ventiladores e exaustores;
  • Higienização dos bebedouros.
Limpeza quinzenal:
  • Espelhos;
  • Vidros;
  • Pisos internos e externos;
  • Paredes;
  • Salas de máquinas.
Limpeza mensal:
  • Janelas externas;
  • Salão de festas;
  • Garagens;
  • Grades e portões;
  • Cortinas, persianas ou venezianas;
  • Escadas de emergência.
Limpeza semestral
  • Locais mais difíceis, como estruturas, tubulações e demais superfícies altas:
  • Caixas d’água
  • Fachadas

LEIA TAMBÉM: Conheça três manutenções anuais importantes no condomínio

Pronto, já conhece os tipos de limpeza e a frequência que devem ser feitas, agora é só montar um cronograma do seu condomínio. Com ele, síndico e equipe poderão seguir uma rotina de limpeza regrada e sem falhas.

Uma dica é fazer um check list de toda as atividades que precisam ser realizadas. Isso vai facilitar o gerenciamento e organização de todos.

Mas atenção para outras dicas como:

Tenha uma boa equipe – contrate bons funcionários ou uma boa empresa para prestar o serviço de limpeza do seu condomínio. Leve em consideração o tamanho do lugar para contratar um número ideal de profissionais, dessa forma não há sobrecarga de trabalho e tudo deve correr bem.

Defina horários – lembre-se de montar as escalas e horários de trabalho da equipe de limpeza e quais os horários de pico no condomínio para que todos se organizem de maneira que causem o menor incômodo possível aos moradores.

Tenha sempre materiais de limpeza e segurança– é essencial que não faltem os produtos de limpeza e segurança que ajudarão na execução das tarefas.

Conscientize os moradores – os moradores também precisam colaborar com a preservação da limpeza dos ambientes. É sempre bom promover campanhas de conscientização para que todos lembrem de manter os espaços limpos.

Atenção para o lixo – É preciso criar uma rotina específica de recolhimento e destinação dos resíduos produzidos pelos condôminos. Lixo acumulado, além do mau odor, pode atrair moscas, baratas, ratos e outras pragas que transmitem doenças. Desta forma, o descarte correto dos resíduos é uma questão de higiene, saúde e segurança.

Limpeza em período de pandemia

A limpeza bem feita nunca foi tão importante como está sendo neste período de pandemia. Afinal de contas ela representa segurança a saúde dos condôminos.

Nestes casos os profissionais devem ter atenção redobrada e limpar com mais frequência as principais fontes de contaminação em um condomínio, a exemplo dos:

  • Corrimões;
  • cabines de elevadores;
  • maçanetas;
  • interfones;
  • caixas do correio.

Além disso alguns produtos de limpeza não podem faltar, como água sanitária, que deve ser usada na proporção de uma parte por três de água, concentração indicada para limpeza do chão. E o álcool 70º indicado para desinfetar maçanetas, corrimões, elevadores e superfícies.

LEIA TAMBÉM: Organizando o descarte de lixo durante a pandemia

A frequência da limpeza também passa por mudança neste período. Ela deve ser constante. Em um prédio com seis apartamentos por andar, por exemplo, o chão deve ser limpo no mínimo uma vez ao dia. Já a higienização de maçanetas, corrimões e bancadas, assim como elevadores, se recomenda a cada duas horas.

Dicas

Durante a pandemia muitas ações comuns nos condomínios foram revistas. Manter tapetes e capachos nas portas, por exemplo, não é mais indicado. Segundo especialistas, eles recebem a sujidade da rua e são vetores de germes, inclusive o coronavírus.

O correto é colocar nas portas um pano umedecido com água sanitária, na proporção de um quarto de água sanitária para três quartos de água.

Outro erro comum é limpar o corredor com trânsito de pessoas. O correto é higienizar um lado interditando-o e, depois de liberá-lo, seguir para o outro.