Portaria remota e a automatização dos condomínios

E mais uma vez a inovação tecnológica chega para facilitar processos dentro de condomínios. A portaria remota já é uma realidade em muitos empreendimentos que buscam segurança, economia e praticidade.

No entanto, por ser uma tecnologia relativamente recente no Brasil ainda paira muitas dúvidas em relação ao funcionamento desse sistema que substitui a presença física de um porteiro por um gerenciamento remoto.

Como funciona?

Um condomínio com portaria remota faz o monitoramento de entradas e saídas de moradores e visitantes através de um profissional remoto, que utiliza um circuito de câmeras estrategicamente localizadas, assim como sistema de voz e de sensores de presença conectados via internet a uma central de monitoramento.

Ou seja, quando alguém toca o interfone, quem responde é o operador da Central, que acompanha virtualmente o local durante 24 horas do dia, como se estivesse presente na guarita.

Para quem é morador, o acesso pode ser feito por meio de controles, tags, biometria e até QR Codes. No caso deste último é também bastante utilizado para a liberação de convidados. O condômino pode gerar por meio de um aplicativo um QR Code de acesso e enviar ao visitante.

LEIA TAMBÉM: Vantagens de adotar um aplicativo de controle de acesso

A segurança é um dos pontos fortes desse sistema. Vale lembrar que todos os registros como vídeos e ligações são gravados de forma remota e registrados em sistema, permitindo que o acesso de qualquer pessoa no condomínio seja rastreado.

E em casos de situação de risco?

Caso isso ocorra, o morador pode acionar a empresa de segurança por meio do controle de garagem ou de acesso.

Mas, e as correspondências?

O zelador ou auxiliar de serviços podem ficar responsáveis por essa tarefa. O ideal é que exista esse tipo de profissional durante o horário comercial com o intuito de cumprir esses recebimentos, caso o morador não esteja no local.

É importante destacar que cada condomínio possui suas particularidades e elas deverão ser sempre consideradas durante esse processo de implantação para definição dos procedimentos a serem adotados.

A luz caiu e agora?

Em casos de queda de energia ou perda de comunicação, os sistemas já estão prontos para prevê contingências que permitem que a Portaria Remota fique operante por várias horas. Em casos extremos, se necessário, as empresas costumam disponibilizar um funcionário para operar a portaria até que a situação seja regularizada.

Escolha da empresa

Para garantir o funcionamento perfeito de todo o sistema, o condomínio precisa contratar uma empresa especializada e investir em uma aparelhagem que consiste em: câmeras de segurança, sistema de identificação de moradores e conexão de internet para que as imagens sejam transmitidas em tempo real.

Após a contratação, será preciso também fazer manutenções preventivas e periódicas para que todos os equipamentos funcionem perfeitamente e não haja surpresas.

E antes de fechar o negócio é interessante visitar a central da portaria remota para conhecer a infraestrutura e ver por dentro como é feita a vigilância.

Como o condomínio economiza?

Um dos maiores custos dentro dos condomínios está associado as folhas de pagamentos de funcionários. Com a Portaria Remota existe uma redução de despesas com trabalhadores como porteiros, visto que a central consegue administrar várias portarias de uma só vez.

Sem falar que o condomínio reduz a possibilidade de passivo trabalhista, diminuindo a participação da mão de obra na operação de sua portaria.

LEIA TAMBÉM: NEGÓCIO DIGITAL: Aplicativo Condominial cresce durante pandemia

Com essa diminuição dos gastos mensais os condomínios podem investir ainda mais em sistemas mais eficiente de segurança, principalmente nos pontos mais vulneráveis do local.

A redução de gastos também pode ser sentida no bolso do morador com a redução no custo das taxas condominiais. Segundo especialistas, é possível reduzir o valor do condomínio em 40% até 50% utilizando o serviço.

Preciso me preocupar com algo?

Os especialistas apontam a dificuldade de adaptação de alguns moradores, principalmente os mais idosos, à tecnologia. Sendo assim, no início, o síndico vai precisar dispor de um tempo para ajudar os moradores a se adaptarem a novidade.

Em relação ao livro de ocorrência, que muitas vezes fica disponível na portaria, nada que a implantação de um aplicativo condominial não resolva com facilidade.

A tecnologia disponibilizada pela MyCond, por exemplo, permite que os moradores façam suas queixas ou observações por meio do celular ou tablet. Tudo muito rápido e fácil e ainda com a possibilidade de anexar imagens e com a garantia de um retorno mais rápido do síndico que recebe de imediato todas as notificações.

Como é feita a adesão?

A decisão de aderir, ou não, a portaria remota é um assunto de larga escala, ou seja, como essa implantação interfere na vida de todos os moradores do condomínio, ela deve passar pelo crivo deles.

Para efetuar esse tipo de mudança no condomínio o indicado é a realização de uma assembleia que vai precisar da aprovação da maioria dos moradores.

Período de pandemia

A Associação Brasileira de Empresas de Segurança Eletrônica estimou em 2019, que o setor de portaria remota e monitoramento a distância teria crescimento de 30% em 2020, e a chegada da pandemia ajudou que tal projeção se consolidasse.

A portaria remota passou por uma série de transformações durante a pandemia, principalmente, por garantir segurança patrimonial aos condomínios sem envolver contato físico. O monitoramento a distância se tornou uma solução mais atrativa em tempos de isolamento social.

Automatização condomínios

A portaria remota é um grande exemplo de automatização de condomínios, uma tendência que os empreendimentos novos já nascem inseridos e os mais antigos têm buscado como forma de facilitar e otimizar a vida do síndico ou administrador.

E a lista é grande se formos pensar nessas soluções. Além da portaria remota, os condomínios podem estar integrados com sistemas e aplicativos que otimizam todas as rotinas do condomínio na medida em que ganham sistemas mecânicos e eletrônicos.

LEIA TAMBÉM: Implantação de mercados autônomos em condomínios: pontos negativos e positivos

É importante destacar que quando falamos em automatização de condomínio estamos falando de um monitoramento e controle não somente dos equipamentos físicos, mas de toda estrutura do condomínio, como a administração, que costuma exigir um bom tempo dos gestores.

A startup MyCond consegue oferecer todas as ferramentas para transformar por completo o dia a dia e a gestão condominial. Empresas de portaria remota, por exemplo, podem somar aos seus serviços a tecnologia MyCond e assim conseguir oferecer aos clientes um pacote completo de automatização do espaço, com um aplicativo personalizado e completo.

Essa adesão pode ser feita por meio do White Label, na qual a startup disponibiliza a tecnologia, suporte, e a entrega de um sistema personalizado.